Você está aqui:Usabilidade>Artigos>A área de UX pode ser adaptada à Metodologia Ágil?
Sexta, 16 Janeiro 2015 18:17

A área de UX pode ser adaptada à Metodologia Ágil?

Escrito por 
Votos
(1 Vote)

Resolvi escrever este artigo para contar sobre minha experiência na metodologia ágil. Durante aproximadamente 8 anos da minha carreira em Usabilidade / UX trabalhei com a metodologia em cascata, onde se fazia o trabalho de UX bem antes e se podia planejar bem o nosso trabalho, aplicando todas as técnicas necessárias.

 

No começo foi bem difícil se adaptar porque na metodologia ágil os processos são bem mais dinâmicos, o tempo é mais curto e muitas vezes não conseguimos estar perto do usuário para fazermos nossas validações. Outro ponto é que sendo uma “cascateira” você tende a pensar sempre no todo e nesta metodologia você deve pensar sempre em partes, escopos menores que vão sendo construídos ao longo do tempo. Também não existem mais aqueles relatórios enormes que fazíamos dos resultados de nossas análises e pesquisas, porque na metodologia ágil a documentação deve ser mínima. Por este lado adorei, pois odiava ter que apresentar os resultados de nosso trabalho para conseguir convencer desenvolvedores incrédulos a fazerem o que foi proposto pelo nosso time.

Confesso que não li o livro de Jeff Gothelf sobre Lean UX (UX enxuta), que é um conceito mais ágil para a área de UX, mas li muitos artigos sobre o assunto. Este conceito trata de aproximar a área ao processo de desenvolvimento, para que o foco não seja mais nas entregas, e sim em como iremos projetar a experiência do usuário com o software para se chegar ao objetivo final.

Levando em consideração os conceitos da Lean UX, nosso time diminuiu o número de entregáveis e começamos um processo mais adaptável. A idéia é iniciarmos o quanto antes as definições e desenhos em papéis envolvendo o time de desenvolvimento. Quanto mais rápido descobrirmos nossas falhas, mais aprendemos com elas e mais rápido os problemas serão corrigidos.

Nós gostamos de ouvir a opinião de todos os envolvidos no projeto, desde o desenvolvedor que pode nos ajudar a pensar em conceitos tecnológicos novos, até ao usuário final. Um problema muito freqüente era que nós pensávamos na solução e quando mostrávamos aos desenvolvedores eles quase sempre “quebravam” nossa proposta. Nossa estratégia é atuar como facilitadores entre os times de forma que possamos organizar as idéias e assim criarmos a solução com a participação de todos.

O importante é lembrar que mesmo com esta idéia de UX mais “enxuta”, não podemos descartar as etapas que temos que fazer antes, durante e depois, com os usuários; é primordial fazermos nosso trabalho de exploração, validações com os usuários e testes de usabilidade, que serão fundamentais para termos a percepção de que aquilo que foi proposto está seguindo o caminho correto e que realmente a solução agregará valor ao usuário final.

A proposta central para adaptar a área de UX a esta metodologia é a total parceria desta com as demais áreas relacionadas, para que dessa forma todos cooperem juntos e as pessoas envolvidas entendam melhor a importância do trabalho de UX, e também nos apóiem quando dissermos que é necessário aplicar alguma técnica para descobrimos a real necessidade do usuário, garantindo assim, a melhor experiência de uso.

Visualizada 2515 Vezes
Ana Cristine Veneziani

Graduada em Sistemas de Informação pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e pós-graduada em Gestão da Qualidade de Software.

Atua na área de Usabilidade/Experiência do Usuário(UX) desde 2003, participando de grandes projetos como a reestruturação de sites do governo do Estado de São Paulo e sistemas de atendimento ao cliente, aplicando técnicas como testes de usabilidade, testes A/B, análise heurística, grupo de foco, card sorting etc. 

Participou da criação do Manual de Usabilidade para Serviços Públicos, recomendações que estabelece um padrão comum de qualidade dos sites do Governo do Estado de São Paulo.

Atualmente trabalha com sistemas da área tributária brasileira, área extremamente complexa e transformar tudo isso em sistema de um jeito fácil, intuitivo e emocionante ao usuário, para ela é algo totalmente desafiador.

Seu principal objetivo é desenvolver produtos com qualidade e que agreguem valor ao usuário final.

LinkedIn:  Ana Cristine Veneziani

Deixe um comentário

Campos com * são obrigatórios.

Últimas publicações

Usuários online

Temos 35 visitantes e Nenhum membro online